Avalie:
1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars 15 voto(s)
Loading ... Loading ...
10 Comentários
Este artigo está disponível nos seguintes idiomas:


Inglês
Português
Chinês

  • Identifying and Recovering Troubled Projects: How to Rescue your Project From its Failure


    Publications

    PMI Global Congress Asia Pacific
    Hong Kong - 2007

    Mundo PM Magazine
    Curitiba - October - 2006

    Abstract

    The purpose of this article is to conceptualize and identify troubled projects and allow their evaluation and possible recovery, minimizing the impact of the negative effects in the event of a total failure. The word recovery, as used here, has a meaning that is different than usual. It does not mean leading the project to the intended success from the planning phase but to minimize total failure.

    Currently there are lots of papers and studies on project management tools, methodologies, strategies, and processes. All these efforts are intended to enable and prepare project managers and their teams to ensure the success of their projects. BERRY (2002) complements this concept saying that virtually all the methodological patterns of projects are an important knowledge base on how to properly conduct a project, completing the work within its deadline, and with high-quality deliverables.

    However, the reality that many project managers make evident is significantly different. In fact, even the most experienced project manager end up as acting as a “firemen” to their projects, trying at any cost to solve the problems and the difficulties found along the road.

    These “Troubled Projects” are a reality in the worldwide business scenario; most of the times, dealing with a troubled project is a particularly challenging task for the project manager and his or her team. These projects require, for different reasons, specific attention and care.

    Finally, the article deals with lessons learned with troubled projects and how to use them to avoid future problems.

    Definition of troubled project

    A troubled project can be defined as a project where the difference between what is expected and what has been accomplished exceeds the acceptable tolerance limits, pushing into a course that will inevitably lead to failure.

    By assessing the nature of the projects, we can say that any project is characterized by a challenge, whether for its intrinsic complexity or its short deadline or low cost. To this regard, any project requires a level of control and management different from usual engagements, many times demanding a differentiated effort from the project manager and his/her team.

    However, when the variances exceed an acceptable limit of tolerance we have a troubled project that requires a specific effort. In this case, a specific approach strategy becomes necessary, by defining a possible recovery or even deciding for an early termination.

    [caption id="attachment_812" align="alignnone" width="434" caption="Exhibit 01 – Continuous sequence of troubled projects (ESI, 2005)."]image001[/caption]

    It is important to note that troubled projects are not failed projects. Failed projects are unrecoverable, since the highest level of loss possible has been reached. On the other hand, the troubled project has a possibility of being recovered although it shows strong indications that if it is not managed in a specific manner it can quickly deteriorate and become unfeasible.

    When we use the term “recover”, what we mean is that there is a chance of recovery and not that the recovery is simple or easy. Exhibit 02 shows some of the erroneous perceptions regarding troubled projects.

    [caption id="attachment_815" align="alignnone" width="559" caption="Exhibit 02 – Erroneous perceptions on troubled projects."]image002[/caption]

    Identifying and assessing a troubled project

    A troubled project always presents indicative factors that might help recognize it as a problem. Some aspects related to stakeholders, project resources, documentation, and the triple constraint (scope, cost, and schedule) allow us to get a quick, direct perception of the problem degree the project is in, as shown in Exhibit 03.

    [caption id="attachment_822" align="alignnone" width="559" caption="Exhibit 03 – Mindmap of the indicators of a troubled project. Based on SAROKIN (2005), WU (2000), and WARD (2003)."]image003[/caption]

    Although the aforementioned warnings are quite straightforward, it is important to highlight that none of them indicates that a project is an isolated problem. Most of the times, they operate together and indicate, in several ways, that there is a problem with the project.

    In addition to the warnings listed before, a set of vital signs and qualitative assessment models can be built to develop a more accurate criterion on the real vitality of the project. KAMPUR (2001) says that the vital signs are measured by the variance between current status of the project and the values as planned, as shown in the example in Exhibit 04.

    [caption id="attachment_827" align="alignnone" width="386" caption="Exhibit 04 – Example of vital signs models (KAMPUR, 2001)."]table_1[/caption]

    ESI International (ESI, 2005) developed an assessment process of troubled projects based on a process of interviews, analysis and consolidation of results that allow us to assess the problem’s potential and the chances of recovering the project. The process is highlighted in Exhibit 05. In this process the participation of the main stakeholders and their personal perceptions are the key to the success of a possible recovery of the project.

    [caption id="attachment_829" align="alignnone" width="559" caption="Exhibit 05 – Troubled project assessment model (ESI, 2005)."]image004[/caption]

    Several other models can be developed to identify scenarios in each organization. However, all these models should include a brief, quick, direct assessment; otherwise, when a project is identified as a problem it might be too late to recover it.

    Project recovery vs. projetct termination

    Once the troubled project is assessed, we have to make the decision of aborting or recovering the project. Different factors may influence this process, but some basic considerations have to be observed. LONG (2003) proposes five key questions that should be considered to decide if the project will be recovered or aborted, as follows:

    1.    How important is the project for the sponsor, the stakeholders, and the organization?
    2.    Can the project continue as planned and defined or does it need to be completely redefined?
    3.    The organizational impacts and the resource needs for the recovery are feasible to produce the desired recovery?
    4.    Is there a need for political support so that the project can be recovered?
    5.    Are you (the project manager) personally motivated and interested to do what needs to be done to recover the project?

    As a complement to the five previous questions, several factors can evidence that there is no chance of recovering the project. The most common factors are as follows:

    • Business benefit to be generated by the business cannot be delivered
    • The political environment is no longer sustainable
    • There is no longer a project sponsor and there is no apparent capacity to replace them
    • The business needs have changed
    • There have been significant changes in technology
    • Contractual or judicial dispute in progress that makes the project unfeasible
    • Market conditions have changed

    If you decide to discontinue the project, its early termination can be carried out in two different ways, each with its own level of complexity, speed, and stress.

    STEWART & SHEREMETA (2000) assessed the different drivers and impacts involved in the early termination of a project. They say that there are basically four ways to terminate a project, as follows:

    • Addition – Discontinue the project by adding the work to be performed and all its resources to a larger project.
    • Absorption - Discontinue the project having another project absorbing the work of the troubled project, without the resources and infrastructure accompanying the work.
    • Inanition - Discontinue the project by inanition (starvation), with the resources that sustain the project no longer being supplied, and the project being terminated due to complete lack of resources.
    • Extinction - Discontinue the project by extinguishing it, with an immediate cancellation action being taken, and the project ceasing to exist and only the work already completed and that can possibly be used is recovered.

    In order to group all these concepts, we developed the flow chart in Exhibit 06, starting with the problem assessment up to the possible recovery strategies and the early termination of the project.

    [caption id="attachment_840" align="alignnone" width="423" caption="Exhibit 06 – Flow chart of the decision-making process identification regarding a troubled project."]image005[/caption]

    Regarding the decision on project recovery or termination, we should emphasize that there is no formula or quantification to suit all projects, in all organizations. Many times the search for the desired results can include the cancellation or anticipated termination of a project.

    Developing the recovery plan

    When a recovery strategy for a project is prepared, many say that it is not important to know what drove the project to its current status but rather to see what can be done and will be done to pull it out of that situation. However, this statement is incorrect. It is very hard to have a correct recovery strategy without knowing the facts that created the problem. Particularly, if the drivers are not eliminated, the project might be recovered in the short term, but with time it can fall back into the same critical stage it was before the recovery process.

    Another important issue is that recovering a project is to save the loss and restore its usefulness, preventing the project’s total failure (ESI, 2005). Thus, when we intend to recover a project we are not discussing the full recovery of the project, but the avoidance of its total failure.

    Basically, recovery consists of readjusting the basics of the scope, schedule, and costs and resources of the project, which is methodologically known as the project’s triple constraint, as shown in the project triangle in Exhibit 07.

    [caption id="attachment_843" align="alignnone" width="264" caption="Exhibit 07 – Project’s triple constraint (scope, schedule, and cost)."]image006[/caption]

    The proposals below can be discussed and assessed based on these constraints.

    Option 1 – Reducing the project scope, maintaining the planned budget and schedule. This process can save parts of the project that may survive without full scope, as shown in Exhibit 08.

    [caption id="attachment_844" align="alignnone" width="554" caption="Exhibit 08 – Project recovery by reducing scope."]image007[/caption]

    Option 2 – Maintaining project scope, inflating project costs and maintaining the planned schedule. Usually this process is used when project scope cannot be reduced and the interest in results outweighs the shortfall caused by an increase in costs (Exhibit 09).

    [caption id="attachment_849" align="alignnone" width="557" caption="Exhibit 09 – Project recovery by increasing available budget."]image008[/caption]

    Option 3 – Maintaining project scope by extending project deadlines and the budget forecast. Usually this is used when schedule is not essentially critical for the project, where a slowdown may avoid an increase in cost, thus allowing us to maintain the scope (Exhibit 10).

    [caption id="attachment_850" align="alignnone" width="558" caption="Exhibit 10 – Project recovery by extending schedules."]image009[/caption]

    Option 4 – The project is totally redefined, thus creating a new relationship between scope, schedule, and cost, with only portions of the original projects scope. Usually this is used when options 1 to 3 are not considered as appropriate (Exhibit 11)

    [caption id="attachment_852" align="alignnone" width="558" caption="Exhibit 11 – Full redefinition of the project, using part of the results obtained."]image010[/caption]

    The four options shown above are the foundations for any type of recovery. All other types and solutions proposed are but variations resulting from one of these options.
    In addition to this resizing of the triple constraint, several other actions should be taken to ensure that the recovery attains the expected success. In these cases, it is necessary not only an radical change in planning or in project requirements, but also a radical change in the behavior of the people. LONG (2003) mentions various actions that the project manager and the team should take to ensure the success of the recovery plan, as follows:

    • Restructure the project team and/or increase the controls over the work.
    • Politically consolidate the project with its sponsor, company executives, and stakeholders, searching for broad, unrestricted support.
    • Create a solid communication program with a positive message in connection with the changes.
    • Conduct and maintain an optimistic attitude and environment and, hoping for success.
    • Ensure the personal commitment to assure the success of the recovery strategy.

    Recovery plan sucess factors and lessons learned

    When conducting the assessment of the troubled project and its possible recovery it is possible to say that some of the lessons learned need to be presented again:

    • Always prioritize . There is never time or money to solve all problems.
    • Be aggressive. Look for the problem and find the solutions.
    • Proactivity. Do not wait for problems to be solved on their own.
    • Establish accountability lines. Know who is responsible for what within the project.
    • Worship experience. The authority to make decisions should be transferred to the most experienced person and not necessarily to the highest hierarchical position.
    • Find the problems. Try to identify the problems in a structured way and as a team, thus avoiding that the project be found due to its problems.
    • Do not micromanage. Details prevent the whole from being easily identified.
    • The  real problem may not be evident. It is not always that what needs to be solved is what is more apparent in the project. Check what is behind the curtains.
    • Look for and assess the impacts.
    • Never miss opportunities. An opportunity lost can be one of the biggest problems for the project.
    • Poor decisions hurt. Making a wrong decision is as harmful for the project as not deciding at all.
    • Contextualize opinions. Outside opinions need to be inside a context and must be integrated.

    Finally, it is important to break the cycle that created the problem. You should always remember the rules of Newton's Law. This law states that objects in motion tend to stay in motion unless an outside force opposes them.

    Conclusions

    Preventing a project from becoming a challenge requires proactive action. First of all, recognizing that a problem exists is itself already a problem. The article “Why Bad Projects Are So Hard to Kill”, published by Isabelle Royer in the Harvard Business Review in 2003 (ROYER, 2003) has, in its own title, the search for more answers on the difficulty to assess and solve problems. She says that this is due to an unconditional belief that the project, even when going through stages of complete chaos, will overcome the obstacles and be a success in the future. This perception is contagious; everyone ends up believing that in the future a “miracle” might occur and transform the project in a huge success.
    Unfortunately, reality always proves to be the opposite of a “miracle”. If we look again figure 1, we will note that when the ones involved really accept that there is a problem, then the problem no longer exists. Now, it is a failure.

    Therefore, when are faced with a troubled project, the first thing to do is to accept that there is a problem and quickly identify its magnitude, and the actions that should be immediately taken.

    In a project this close to danger, any day lost is a day that will never be recover...

    References

    BERRY, D. (2002). Your Project is in Trouble! Now What? San Antonio: Project Management Institute Global Congress United States.

    ESI International. (2005). Rapid Assessment and Recovery of Troubled Projects. Arlington: ESI International.

    HARVEY, J. B. (1996). The Abilene Paradox and Other Meditations on Management. New York: Jossey-Bass.

    KAMPUR, G. K. (2001). How to Kill a Troubled Project. San Ramon: Center for Project Management.

    LONG, S. P. (2003). Succeeding With Troubled Projects. Baltimore: Project Management Institute Global Congress 2003.

    ROYER, I. (2003). Why Bad Projects Are So Hard to Kill. Boston: Harvard Business Review.

    SAROKIN, M. (2005). 10 Indicators of a Troubled Project. EDS Next Big Thing Blog.

    STEWART, W. M. & SHEREMETA, P. W. (2000). Will You Be Terminated Today. Houston: Project Management Institute Global Congress 2000.

    VARGAS, R. V. (2004). Using Earned Value Management Indexes as a Team Development Factor and a Compensation Tool. Prague: Project Management Institute Global Congress EMEA.

    WARD, J. L. (2003). There is a Signpost Up Ahead! Recognizing and Dealing with Project Warning Signs. Baltimore: PMI Global Congress North America 2003.

    WU, J. (2000). Business Intelligence: Top 10 Warning Signs of a Troubled BI Project. DM Review Online website (www.dmreview.com).


  • Publicações

    PMI Global Congress Asia Pacific
    Hong Kong - 2007

    Revista Mundo PM
    Curitiba - Outubro - 2006

    Resumo

    Este artigo tem como objetivo conceituar e identificar os projetos problemáticos, permitindo sua avaliação e possível recuperação, minimizando o impacto dos efeitos negativos de um possível fracasso total. O termo recuperação aqui utilizado tem um significado diferenciado. Ele não significa conduzir o projeto ao sucesso previsto no planejamento, mas sim a minimização do fracasso total.

    Atualmente a área de gerenciamento de projetos tem observado uma série de trabalhos e estudos sobre ferramentas, metodologias, estratégias e processos de gerenciamento de projetos. Todos esses esforços visam capacitar e preparar o gerente de projetos e suas equipes para garantir o sucesso de seus projetos. BERRY(2002) complementa esse conceito, afirmando que praticamente todos os padrões metodológicos de projetos representam uma base importante de conhecimento sobre como conduzir os projetos corretamente, finalizando os trabalhos no prazo e com alta qualidade nas entregas.

    Porém, a realidade que muitos gerentes de projeto evidenciam é significativamente diferente. A realidade é que até os gerentes de projeto mais experientes acabam se tornando “bombeiros” de seus projetos, tentando a todo o custo contornar os problemas e as dificuldades encontradas no percurso.

    Esses “Projetos-Problema” são uma realidade no cenário mundial de negócios e, na maioria das vezes, lidar com um projeto problemático é uma tarefa especialmente desafiadora para o gerente de projetos e para o time. Esses projetos exigem, por variadas razões, atenção e cuidados diferenciados.

    Finalmente, o artigo trata das lições aprendidas com os projetos problemáticos e como utilizá-las para evitar problemas futuros.

    Definição de projeto problemático

    Projeto Problemático pode ser definido como um projeto cuja variação entre o esperado e o realizado excedeu os limites de tolerância aceitáveis, fazendo com que ele entre em uma rota que inevitavelmente possa levá-lo ao fracasso.

    Ao se avaliar a natureza dos projetos, pode se afirmar que qualquer projeto é caracterizado por um desafio, quer seja pela sua complexidade intrínseca, quer seja pelo seu prazo ou custo reduzido. Nesse aspecto, todo projeto requer um grau de controle e gerenciamento diferenciado dos trabalhos normais, exigindo muitas vezes um esforço diferenciado por parte do gerente de projetos e sua equipe.

    No entanto, quando as variações passam de um limite aceitável de tolerância, tem se um projeto problemático, que requer algo mais do que um esforço diferenciado. Torna-se necessário nesse caso uma estratégia diferenciada de abordagem, definindo uma possível recuperação ou até mesmo uma tomada de decisão no sentido de seu término antecipado.

    [caption id="attachment_869" align="alignnone" width="408" caption="Figura 1 – Seqüência contínua dos projetos problemáticos (ESI,2005)."]imagem001[/caption]

    É importante ressaltar que projetos problemáticos não são projetos fracassados. Projetos fracassados são irrecuperáveis, uma vez que foi atingido o maior nível de perda possível. De outro lado, o projeto problemático é passível de uma possível recuperação, apesar de apresentar uma forte indicação de que se eles não forem gerenciados de um modo peculiar, eles podem se degenerar rapidamente e se tornarem inviáveis.

    Quando se aborda o termo “recuperar”, o que se quer dizer é que existe uma possível recuperação e não que a recuperação é simples e fácil. Na figura 2 são apresentadas algumas percepções equivocadas sobre projetos problemáticos.

    [caption id="attachment_877" align="alignnone" width="642" caption="Figura 2 – Percepções equivocadas sobre projetos problemáticos."]imagem002[/caption]

    Identificando e avaliando o projeto problemático

    Um projeto problemático sempre apresenta fatores indicativos que podem facilitar sua identificação como problemática. Aspectos relacionados aos stakeholders, aos recursos do projeto, a documentação e a restrição tripla (escopo, custo e tempo) permitem gerar uma percepção rápida e direta do nível do problema em que o projeto se encontra, conforme apresentado na figura 3.

    [caption id="attachment_882" align="alignnone" width="642" caption="Figura 3 – Mapa mental dos indicadores de um projeto problemático. Baseado em SAROKIN(2005), WU(2000) e WARD(2003)."]imagem003[/caption]

    Apesar dos indicadores anteriormente mencionados serem bastante diretos, é importante ressaltar que nenhum deles indica que um projeto é problemático de modo isolado. Na maioria das vezes eles atuam em conjunto e indicam, de diversas formas, que um problema existe no projeto.

    Além dos indicadores listados anteriormente, um conjunto de sinais vitais e modelos de avaliação qualitativa podem ser construídos no sentido de desenvolver um critério mais preciso sobre a real vitalidade do projeto. KAMPUR (2001) afirma que os sinais vitais são medidos pela variância entre o status atual do projeto e os valores planejados, conforme apresentado no exemplo da figura 4.

    [caption id="attachment_890" align="alignnone" width="386" caption="Figura 4 – Exemplo de modelos de sinais vitais (KAMPUR, 2001)."]tabela_1[/caption]

    A ESI International (ESI, 2005) desenvolveu um processo de avaliação dos projetos problemáticos baseado em um processo de entrevistas, análise e consolidação de resultados, que permitem avaliar o potencial do problema e as chances de recuperação do projeto. O processo é destacado na figura 5. Nesse processo a participação dos principais Stakeholders e suas percepções pessoais são a chave do sucesso de uma possível recuperação do projeto.

    [caption id="attachment_897" align="alignnone" width="548" caption="Figura 5 – Modelo de avaliação do projeto problemático (ESI, 2005)."]imagem004[/caption]

    Diversos outros modelos podem ser desenvolvidos para identificar cenários em cada organização. No entanto, todos esses modelos devem apresentar uma avaliação breve, rápida e direta, sob pena de que, ao identificar o projeto como problemático, seja muitas vezes tarde demais para que ele possa ser recuperado.

    Recuperação do projeto X término do projeto

    Uma vez que o projeto problemático foi avaliado, a decisão de abortar ou recuperar o projeto necessita ser feita. Diversos fatores podem influenciar esse processo, mas algumas considerações básicas precisam ser avaliadas. LONG (2003) propõe cinco questões essenciais que devem ser considerados para decidir se o projeto será recuperado ou abortado. São eles:

    1.    Qual a importância do projeto para o patrocinador, os interessados e a organização?

    2.    O projeto pode continuar conforme o planejado e definido ou necessita ser completamente redefinido?

    3.    Os impactos organizacionais e as necessidades de recurso para a recuperação são viáveis para produzir a recuperação desejada?

    4.    Existe necessário suporte político para que o projeto possa ser recuperado?

    5.    Você (gerente do projeto) está pessoalmente motivado e interessado em fazer o que precisa ser feito para recuperar o projeto?

    Complementando as cinco questões anteriores, diversos fatores podem evidenciar que a possibilidade de recuperação do projeto não existe. Os fatores mais comuns são:

    • Benefício do negócio a ser gerado pelo negócio não pode ser entregue
    • Ambiente político não é mais sustentável
    • Patrocinador do projeto não existe mais e não existe capacidade aparente de substituição
    • Necessidades de negócio se modificaram
    • Mudanças significativas na tecnologia ocorreram
    • Disputa contratual ou judicial em progresso que inviabiliza o projeto
    • Condições de mercado se modificaram

    Ao se definir pela não continuidade do projeto, o término antecipado pode ser realizado de diferentes formas, cada um com seu grau de complexidade, velocidade e estresse.

    STEWART & SHEREMETA (2000) avaliaram os diferentes fatores e impactos envolvidos no término antecipado do projeto. Eles afirmam que existem basicamente quatro formas de terminar um projeto, a saber:

    • Adição - Terminar o projeto adicionando o trabalho a ser feito e todos os seus recursos a um projeto maior.
    • Absorção - Terminar o projeto absorvendo os trabalhos do projeto problemático por outro projeto, sem que os recursos e infra-estrutura acompanhem os trabalhos.
    • Inanição - Terminar o projeto por inanição (fome), onde os recursos que sustentam o projeto deixam de ser fornecido e o projeto termina por falta completa de recursos.
    • Extinção - Terminar o projeto por extinção, onde uma ação imediata de cancelamento é tomada e o projeto deixa de existir, tendo apenas resgatados os trabalhos já prontos e que eventualmente possam ser aproveitados.

    De modo a agrupar todos esses conceitos, o fluxo da figura 6 foi desenvolvido, partindo desde a avaliação do problema até as possíveis estratégias de recuperação e de término antecipado do projeto.

    [caption id="attachment_905" align="alignnone" width="410" caption="Figura 6 – Fluxo do processo de identificação e tomada de decisão quanto ao projeto problemático."]imagem005[/caption]

    No que diz respeito à decisão quanto à recuperação ou término do projeto, é importante ressaltar que não existe uma fórmula ou quantificação que irá funcionar para todos os projetos em todas as organizações. Muitas vezes a busca pelos resultados desejados pode incluir o cancelamento ou término antecipado do projeto.

    Desenvolvendo o plano de recuperação

    Ao se elaborar uma estratégia de recuperação para o projeto, muitos afirmam que não interessa o que levou o projeto ao seu estágio atual, mas sim o que pode e será feito para retirá-lo dessa situação. No entanto, essa afirmação é incorreta. É muito difícil acertar em uma estratégia de recuperação sem se conhecer os fatos que geraram o problema. Principalmente porque se os fatos geradores não forem eliminados, o projeto pode se recuperar no curto prazo, mas com o tempo, pode retornar ao mesmo estágio crítico de antes do processo de recuperação.

    Outro ponto importante é que recuperar o projeto é salvar da perda e restaurar a utilidade, prevenindo o fracasso total do projeto (ESI,2005). Portanto, quando se pretende recuperar o projeto, não está se discutindo a recuperação total do projeto, mas sim a prevenção do seu fracasso total.

    Basicamente a recuperação consiste em readequar os elementos básicos do escopo, dos prazos e dos custos e recursos do projeto, conhecidos metodologicamente como restrição tripla do projeto, conforme apresentado no triângulo de projeto da figura 7.

    [caption id="attachment_908" align="alignnone" width="264" caption="Figura 7 – Restrição tripla do projeto (escopo, tempo e custo)."]imagem0061[/caption]

    A partir dessas restrições, as propostas a seguir podem ser discutidas e avaliadas.

    Opção 1 – Reduzir o escopo do projeto, mantendo o orçamento e prazo previsto. Esse processo busca salvar partes do projeto que podem sobreviver sem o escopo total, conforme a representação na figura 8.

    [caption id="attachment_912" align="alignnone" width="554" caption=" Figura 8 – Recuperação do projeto por redução do escopo."]imagem007[/caption]

    Opção 2 – Manter o escopo do projeto, dilatando os custos do projeto e mantendo e prazo previsto. Esse processo normalmente é utilizado quando o escopo do projeto não pode ser reduzido e o interesse no resultado supera o desgaste pela elevação dos custos (Figura 9).

    [caption id="attachment_914" align="alignnone" width="542" caption="Figura 9 – Recuperação do projeto por aumento no orçamento disponível."]imagem008[/caption]

    Opção 3 – Manter o escopo do projeto, dilatando os prazos do projeto e mantendo o orçamento previsto. Normalmente é utilizado quando o prazo não é fundamentalmente crítico para o projeto, onde uma desaceleração pode permitir o não aumento do custo, mantendo-se o escopo (Figura 10).

    [caption id="attachment_916" align="alignnone" width="551" caption="Figura 10 – Recuperação do projeto por aumento nos prazos."]imagem009[/caption]

    Opção 4 – O projeto é completamente redefinido, criando uma nova relação entre escopo, tempo e custo, tendo apenas partes do escopo original do projeto. Normalmente é utilizado quando não se consegue as opções 1 a 3 (figura 11).

    [caption id="attachment_917" align="alignnone" width="557" caption="Figura 11 – Redefinição completa do projeto, aproveitando parte dos resultados obtidos."]imagem010[/caption]

    As quatro opções apresentadas anteriormente constituem o alicerce que qualquer tipo de recuperação. Todos os outros tipos e soluções propostas são variações decorrentes de uma das opções.

    Além desse redimensionamento da restrição tripla, diversas outras ações devem ser tomadas para permitir que a recuperação alcance o sucesso esperado. Nesses casos, torna-se necessária não só uma mudança drástica no planejamento ou nos requerimentos do projeto, como também uma mudança radical no comportamento das pessoas. LONG (2003) menciona diversas ações que o gerente de projeto e o time devem fazer para garantir o sucesso do plano de recuperação. São elas:

    • Reestruturar o time do projeto e/ou aumente os controles sobre o trabalho.
    • Solidificar politicamente o projeto junto ao patrocinador, aos executivos e aos envolvidos, buscando apoio amplo e irrestrito.
    • Criar um forte programa de comunicações com uma mensagem positiva sobre as mudanças.
    • Conduzir e mantenha uma atitude e ambiente otimista e com esperança no sucesso.
    • Assegurar o compromisso pessoal em garantir o sucesso da estratégia de recuperação.

    Fatores de sucesso do plano de recuperação e lições aprendidas

    Ao se conduzir a avaliação do projeto problemático e sua possível recuperação, é possível afirmar que algumas lições aprendidas precisam ser novamente apresentadas:

    • Priorize sempre. Nunca existe tempo ou dinheiro para resolver a todos os problemas.
    • Seja agressivo. Busque o problema e encontre as soluções.
    • Proatividade. Não espere que os problemas se resolvam sozinhos.
    • Estabeleça linhas de responsabilidade. Saiba quem é responsável pelo que dentro do projeto.
    • Reverencie a experiência. A autoridade para tomar decisões deve migrar da pessoa mais experiente e não necessariamente da posição hierárquica.
    • Descubra os problemas. Busque identificar os problemas de forma estruturada e em equipe, evitando que o projeto seja descoberto pelos problemas.
    • Não administre apenas os detalhes. Detalhes fazem com que o todo não seja facilmente identificado.
    • O problema real pode não ser o problema evidente. Nem sempre o que precisa ser resolvido é o que é mais aparente no projeto. Verifique o que está por trás das posições.
    • Busque e avalie os impactos.
    • Nunca perca oportunidades. Uma oportunidade perdida pode ser um dos maiores problemas para o projeto.
    • Decisões pobres machucam. Decidir erroneamente é tão prejudicial para o projeto quanto não decidir nada.
    • Contextualize opiniões. Opiniões externas precisam estar dentro de um contexto e devem ser integradas.

    Finalmente, é importante quebrar o ciclo que gerou o problema. Deve se lembrar sempre o que rege a Lei de Newton. Ela afirma que um corpo em movimento tente a continuar em movimento até que alguma outra força atue sobre ele em sentido contrário.

    Conclusões

    Evitar com que um projeto se torne um desafio requer uma ação pro ativa. Primeiramente, reconhecer que o problema existe por si só já é um problema. O artigo “Porque projetos ruins são tão duros de serem eliminados” (Why Bad Projects are so Hard to Kill), publicado por Isabelle Royer na Harvard Business Review em 2003 (ROYER, 2003) tem em seu próprio título a busca por mais respostas quanto à dificuldade em avaliar e resolver os problemas. Ela afirma que isso se deve a uma crença incondicional de que o projeto, mesmo passando por estágios de completo caos, irá contornar os obstáculos e ser um sucesso no futuro. Essa percepção é contagiosa, todos acabam acreditando que no futuro um “milagre” pode ocorrer e transformar o projeto em um sucesso estrondoso.

    Infelizmente a realidade se mostra sempre de forma contrária ao “milagre”. Ao se reavaliar novamente a figura 1, observa-se que, quando os envolvidos realmente assumem que existe um problema, esse não existe mais. Ele agora é um fracasso.

    Portanto, quando se tem um projeto problemático, a primeira coisa a fazer é aceitar que o problema existe e rapidamente identificar a extensão do problema e as ações a serem tomadas imediatamente.

    Em um projeto tão próximo assim do perigo, qual quer dia perdido é um dia jamais recuperado...

    Rreferências bibliográficas

    BERRY, D. (2002). Your Project is in Trouble! Now What? San Antonio: Project Management Institute Global Congress United States.

    ESI International. (2005). Rapid Assessment and Recovery of Troubled Projects. Arlington: ESI International.

    HARVEY, J. B. (1996). The Abilene Paradox and Other Meditations on Management. New York: Jossey-Bass.

    KAMPUR, G. K. (2001). How to Kill a Troubled Project. San Ramon: Center for Project Management.

    LONG, S. P. (2003). Succeeding With Troubled Projects. Baltimore: Project Management Institute Global Congress 2003.

    ROYER, I. (2003). Why Bad Projects Are So Hard to Kill. Boston: Harvard Business Review.

    SAROKIN, M. (2005). 10 Indicators of a Troubled Project. EDS Next Big Thing Blog.

    STEWART, W. M. & SHEREMETA, P. W. (2000). Will You Be Terminated Today. Houston: Project Management Institute Global Congress 2000.

    VARGAS, R. V. (2004). Using Earned Value Management Indexes as a Team Development Factor and a Compensation Tool. Prague: Project Management Institute Global Congress EMEA.

    WARD, J. L. (2003). There is a Signpost Up Ahead! Recognizing and Dealing with Project Warning Signs. Baltimore: PMI Global Congress North America 2003.

    WU, J. (2000). Business Intelligence: Top 10 Warning Signs of a Troubled BI Project. DM Review Online website (www.dmreview.com).


  • 識別和恢復問題的項目:如何挽救其失敗的項目



  1. Hi Ricardo, great article,
    Recently I had a project with these characteristics where I did several practices mentioned in this article. I would like to highlight 3 points that made all the difference in this project:
    1. Recognize that there is a problem and assure that your sponsor has a compromise with this situation;
    2. Empower the people who really know the problem (experts). In this project there was a lot of people making decisions, but without knowledge of the product of the project;
    3. Prioritize: You need to understand what are the activities and work packages that must be doing in the early iterations. We must be focus on that activities to add value to the project.

    These actions do all diference when combined with a good softskills.

    Regards,
    Ben-Hur de Souza Chavarria, PMP

  2. Ícaro disse:

    O site está ótimo.

  3. Marcos Melo disse:

    Ricardo, no dia 09/04, em Belo Horizonte, tive duas gratas satisfações. A primeira de te reencontrar depois de tanto tempo e a segunda foi ter novamente o privilégio de aprender mais com você com a palestra deste seu fantástico artigo. Observei durante a sua palestra e agora relendo o seu artigo como o conteúdo se aplica também às organizações como entidades mais lineares. Explicando um pouco melhor, é que tenho atuado em consultorias organizacionais e os pontos que você colocou no seu artigo se aplicam às empresas, pois já me deparei com problemas seríssimos que, em muitas vezes, elas têm que tomar a decisão de abortar a operação de alguma unidade de negócio ou total mesmo e às vezes falta um material, similar ao seu, para poder suportar esta análise. O interessante do seu artigo é que a forma de identificar, os indicadors para medir e as ações, mesmo considerando a restrição tripla, se aplicam, com algumas pequenas adaptações, às organizações que, até pela característica e mudanças, têm que se comportar como projetos. Com certeza o seu material, bem como a palestra serão muito úteis no meu dia-a-dia com as organizações.
    Muito obrigado, mais uma vez e um fortíssimo abraço,

    • Ei Marcos

      Valeu demais mesmo. Muito bom reencontrar os amigos depois de algum tempo. Eu concordo plenamente que as organizações se comportam muito próximo aos projetos, principalmente nos momentos naturais de crise e desafio.

      Um grande abraço. Sucesso

  4. Silvestre Oliveira disse:

    Parabéns pelo artigo !!!
    Baixei para relembrar suas palavras de ontem no Evento do nosso PMI / MG Chapter.
    Muito bom !!!
    Obrigado por fortalecer a cultura Projetizada !!

  5. Gostaria de dividir uma experiência. Na ocasião me intitulavam como Gerente de Projetos de um empreendimento de grande porte, onde o GP que respondia pelo projeto foi substituído por não atingir o planejamento esperado. Estavamos praticamente na metade da execução do projeto quando fui solicitado para recuperar o mesmo. A questão entretando é que a empresa não possuía maturidade em gerenciamento de projetos tornado o empreendimento um desafio ainda maior.
    Enfim conseguimos reduzir o impacto negativo mas mesmo assim ficamos com uma imagem distorcida perante a organização.

    Conclusões:

    1 – Quando um projeto começa a não atingir o resultado esperado pela organização, o foco muda, a empresa quer entregar o projeto a qualquer custo.

    2 – A injeção de recursos não é adequada. Ou haverá uma redução devido aos desvios de custo ou haverá um superdimensinamento aumentando ainda mais o custo.

    3 – O abandono do projeto pela empresa é quase que nulo. A imagem no mercado como deserdora é arrasador.

  6. Olá Ricardo.
    Parabéns pelo artigo realmente precisamos de mais artigos práticos e completos como esse no mercado e menos releituras de teorias.

    Ricardo, notei algo no teu fluxo, possivelmente um erro. Viste que na caixa 8 (de cima para baixo) existem duas saídas “Yes”? Acredito que uma delas, a de baixo seja um “No”. Podes confirmar?

    No mais também gostaria de explorar um ou dois exemplos de um projeto que mantenha o escopo e que mude o prazo sem alterar o custo, uma vez que você não pode dispensar a equipe e tem que continuar pagando a mesma. Podes ajudar aqui?

    Abraço.
    Guilherme Souto.

  7. Ricardo!

    Tenho há algum tempo trabalhado e vivido uma vida de projetos em nossa empresa, tivemos um curso um curso gestão de projetos de um profissional da área, credenciado no PMI bem intensivo em nossa revenda onde comercializamos e implantamos sistemas de gestão empresarial.
    Primeiro projeto que fizemos, falhou, e pelo material acima pude aprender muito mesmo como tratar tal situação.

    Muito obrigado pela contribuição.

    Sou ouvinte assíduo de seus podcast, no meu telefone.

    Atenciosamente

    Ramon

  8. Gustavo disse:

    Ricardo, boa tarde,

    Até o momento, o que mais me atrapalhou na condução de projetos, foi a postura do patrocinador. Muitas vezes sem experiência em projetos ou, se com experiência, com uma visão distorcida e errônea sobre as melhores práticas (planejadores de escritório).

    Pela minha experiência, um bom patrocinador é fator determinante para sucesso ou fracasso de um projeto. Ele deve ter força política dentro da empresa e conhecimento dos processos de gerenciamento, para saber o que é possível cobrar, o que não é possível e estratégias/controles que tragam produção para o projeto (muitas vezes nos engessam com controles duplos ou triplos da mesma coisa ou não sabem quais indicadores você deve incluir nos relatórios que sejam relevantes para ele). Então, perde-se muito tempo, adotam-se estratégias erradas, erra-se nas priorizações, levando a uma sequência de problemas em série. O PM se vê numa situação de somente apagar incêndios causados pelo seu patrocinador.

Deixe seu comentário ( * itens obrigatórios )

Ressalvar
Nós reservamos o direito de excluir qualquer comentário com conteúdo ofensivo, pejorativo, promocional ou que esteja fora do contexto. Leia a ressalva completa.
  • Data: 14 de abril de 2009
  • Autor: Ricardo Vargas
  • Popularidade: 24971 visualizações
  • Tags: Projetos Problemáticos,

Podcasts relacionados


Sugira um podcast

Você tem sugestões de temas para futuros podcasts?
Envie a sua e participe!

Pegue o nosso Widget!

Instale o widget do 5" PM Podcast em seu site compartilhe com seus leitores os últimos podcasts de Ricardo Vargas.
Veja as instruções.

Tags populares